Inscreva-se no Feed do Pensar Eco e receba os posts por email!

www.pensareco.com

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Posição brasileira sobre redução de gases de efeito estufa não pode comprometer o desenvolvimento econômico do País, defende a FIESP!!

Segundo,João Guilherme Sabino Ometo, vice-presidente da Fiesp, o Brasil não deverá assumir o mesmo compromisso que os paises desenvolvidos e outros emergentes como Índia e China nas negociações sobre mudanças climáticas.
A entidade avalia que o Brasil vem fazendo "seu papel" e já mantém uma proporção bem maior de fontes renováveis com uma matriz energética limpa, e espera que os países desenvolvidos apresentem uma proposta mais ousada sobre a redução de gases de efeito estufa.
"Os países ricos desmatam suas florestas desde o século passado [...] Nós que sempre conservamos nossas matas não podemos ser responsabilizados.
Eles têm que nos deixar continuar com o nosso desenvolvimento", argumentou o vice-presidente da Fiesp, João Guilherme Sabino Ometo. "Não podemos pagar o pato", completou Ometo, após reunião com o ministro do Meio Ambiente da Dinamarca, Troels Lund Poulsen, cujo país será sede da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-15), que será realizado em dezembro. Desta reunião, sairá um novo acordo climático global que substituirá o Protocolo de Kyoto, firmado em 1997.
A Fiesp não comentou as metas do governo, mas defendeu que esta redução não seja maléfica ao desenvolvimento econômico do País. Disse ainda que a queda das emissões brasileiras deve ser realizada em menor velocidade, em comparação com os países desenvolvidos. Para o diretor de Energia da Fiesp, Carlos Cavalcanti, independentemente da posição do governo, o Brasil não deve aceitar as metas da União Européia e Estados Unidos e nem se "misturar" com a China e a Índia, cujos esforços para mudança de matriz energética serão enormes.'Para entrar no jogo, os Estados Unidos e a União Européia devem começar a adotar uma meta de no mínimo 25%", explicou Cavalcanti.Sobre os bicocombustíveis, o dinamarquês defendeu o uso do etanol brasileiro na União Européia como forma de tornar suas matrizes energéticas mais limpas. No entanto, disse que esse "negócio" não sairia de graça para o Brasil. Valendo-se de uma metáfora, disse: “Vocês [Brasil] não terão o almoço de graça”, disse o ministro. Fábio Rocha,


Fonte: Agência Indusnet Fiesp: http://www.fiesp.com.br/agencianoticias/2009/09/10/cop_15_brasil_meta_menos_agressiva.ntc

Bem, nada mais frustrante do que uma segunda chuvosa é ler isso!!! Vocês concordam comigo???
Depois ainda dizem que a busca pela sustentabilidade é unânime!!!! Não sei se é para rir ou para chorar!!!
Érica Sena

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pensar Eco agradece sua visita!
Comente, sugira, critique, enfim, participe!!! Isso é muito importante!
Abs,
Érica Sena
Pensar Eco

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...